sexta-feira, 6 de setembro de 2013

De olho em 2014, Perillo e Campos trocam afagos


O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), será a grande personalidade nacional agraciada neste ano com a Comenda da Ordem do Mérito Anhanguera, maior honraria concedida pelo Estado de Goiás, em evento que acontece na próxima sexta-feira (26). Ainda que a presença do presidenciável socialista dependa de confirmação oficial, a homenagem é uma retribuição do governador goiano Marconi Perillo (PSDB) a encontro ocorrido no Recife no último dia 8.
No convescote do Campo das Princesas (sede do governo pernambucano), Campos e Perillo conversaram sobre temas econômicos, como a reforma do ICMS. Teriam tratado de política de forma genérica, “impressões sobre o atual cenário político nacional” segundo as declarações oficiais. Nos bastidores, porém, aprofundaram na possibilidade de uma parceria efetiva para as eleições de 2014.
Da parte de Campos, interessaria fazer-se presente em nível regional, no que Perillo agora lhe auxilia com a concessão da Comenda do Anhanguera. O evento mobiliza os poderes do Estado com a transferência festiva da Capital para a Cidade de Goiás, patrimônio cultural da humanidade pela Unesco.
A homenagem é suprapartidária e já destacou figuras como os petistas José Eduardo Cardozo (ministro da Justiça) e Tarso Genro (governador gaúcho) e os tucanos Aécio Neves, José Serra e Geraldo Alckmin.
A aproximação com Perillo também atende à necessidade de Campos de arregimentar apoios entre as lideranças do PSDB já prevendo a eventualidade de um segundo turno nas eleições presidenciais.
Pelo lado de Perillo, a intenção é se aproximar do governador pernambucano visando distender a relação com o PSB regional agora que o partido saiu do arco de influência do empresário José Batista Júnior, o Júnior do Friboi, pré-candidato a enfrentar o tucano nas urnas de 2014.
Atualmente o PSB está sob o controle do empresário Vanderlan Cardoso, também pré-candidato ao governo de Goiás e que já enfrentou Perillo nas urnas em 2010 (o tucano venceu e o então republicano ficou em terceiro com perto de 16% dos votos).
Com seu potencial de votos mantido segundo as pesquisas, Vanderlan é cobiçado como o vice ideal pelo governador tucano. Não raro surgem boatos sobre uma composição (especulações rapidamente desmentidas pelo empresário). Perillo, porém, se contentaria muito bem com o apoio em um eventual segundo turno.
Até o ano passado, Vanderlan figurava no arco de alianças das oposições a Perillo. Filiou-se ao PMDB com as bênçãos de Iris Rezende com a suposta garantia de que teria autonomia dentro do partido para trabalhar seu nome ao Palácio das Esmeraldas. Confrontado com as dificuldades, especialmente na resistência de Iris em ceder o controle da legenda, desfiliou-se em clima nada amistoso. Vanderlan foi ingênuo de pensar que receberia a megaestrutura peemedebista de mão beijada e iludiu-se com a suposta abertura de Iris para a renovação.
Vanderlan também se indispôs com o PT depois de declarar apoio a Paulo Garcia na disputa pela Prefeitura de Goiânia em 2010 e não ter a “valorização” que pensou que teria na estrutura da campanha.
Resultado, Vanderlan (cujos negócios – indústria alimentícia – estão baseados em Goiás e em Pernambuco) chegou ao PSB pelas mãos de Eduardo Campos num retorno ao seu projeto original de terceira via.
Curiosamente, o neossocialista aliou-se ao campo mais conservador da política goiana, o deputado federal Ronaldo Caiado (DEM), numa composição tão improvável que só fomenta as investidas de Perillo.

Em tempo: das últimas quatro eleições, em três Caiado marchou ao lado do PSDB perillista. Exceção para 2006, quando lançou o ex-senador cassado Demóstenes Torres, que obteve humilhantes 3,5% dos votos.

Nenhum comentário: